Tião Migué na venda do Ernesto

dez 30, 2012   //   by admin   //   3 Comentários
Dispois di lê u imêi du Aureiu, mi veiu na menti um pretu veiu qui sempri aparicia lá na venda du meu pai im Monsiô Paulu, antiga Ponti Arta da Campanha.
Cunhicidu cumu Tião Migué, idadi discunhecida mais muitu istragadu pelu tempu, orrivi mêmu, disdentadu cum aqueis beiçu babão, pes discarsu, istrupiadu , carças muitu veia, cainu pela bunda, camisa mar cubrinu u peitu,  chaper veiu di paia disbotadu pelu sor du dia a dia.
Mais u Tião Migué era bão qui só venu , puxano aquela carrocinha pra cima i pra baxu. Cabocu sacudidu . Era leiti pra um, arrois pra limpá na maquina du Virgilio pra otru, tudu qui era carretu piquenu era cum eli memu.
O Tião era meiu distranbeiadu da cabeça , coitadu, bobu mesmu, mais.. eta cabocu bão di coração, qui só venu , sô . Nunca feiz mar pra ninguem , não sinhô. Na cidade tudu mundu quiria muitu bem eli.
Tudu santu dia aparicia la na venda. Meu pai si divirtia muitu cum eli. Era eli aparecê i meu pai ja sabia u quequi eli quiria. Na mema hora ja botava nu barcão uma cachacinha das boa. Era o Tião cumeça a dispejá a pinga pela guela abaxu i tocava meu pai a buli cum eli. Cumeçava arrumanu namorada pra eli nas mio familia da cidade. As moça ja mais muie, viçosa, ainda disponivi. Era meu pai fala o nomi di uma i de otra i ai eli arregaiava os oio ja vermeiu das cachaça , tomada la pras venda di trais, gargaiva cuma felicidadi qui só venu, quais cainu  pra trais pur causu da zonzera da cachaça.
Ai meu pai dizia arguma coisa qui deixava eli burricido. Caçoava cum argum defeitu qui afastava as moça deli.
Ai o Tião virava bixu, sô. Oiava infezadu pru meu pai, xingava eli di argum nomi feiu i jurava qui ali eli num botava mais os pé di jeitu ninhum . Disparava cum a sua carrocinha rua abaixu. Ia si quexa pru Americo , la nu bar da esquina.
Ai meu pai ia pra porta da venda cumpanha eli com os oio, filiz da vida cum aquela paiaçada.
Notro dia la vinha u Tião otra veis. Ô Enetu, tudu bem?
I ai u tiatru si ripitia , iguarzinhu u du otru dia.
Eta sardade, sô, di vê aqueles dois, u Tião Migué i u meu pai.
Autor: João Bosco Baldin – São Paulo

3 Comentários

  • Muito bom!

    • fasdfasdfasdf

  • Olá Fernando, estamos atualizando o site da família Baldim, e encontramos seu comentário. Obrigado.

    Você reside em Mons. Paulo, e quem são os seus pais? Eu sou filho do Ernesto Baldin e Ernestina Bellato. Seguramente somos primos. Ainda essa semana iremos liberar o site da família. Conto com sua colaboração, acessando o site e de suas sugestões e na divulgação dele.

    Um abraço,

    Sebastião

    P.S. Por enquanto envie para meu e-mail: baldim@uol.com.br

Deixe um comentário